25 maio 2012

UM POUCO DA HISTÓRIA DO PR.ANDERSON DOMINGOS


este é +ou- o Anderson que conheci

Ontem pela manhã tive a grata satisfação de ouvir uma palavra muito bem embasada acerca da multiplicação dos 5 pães e 2 peixinhos na bela voz, acadêmica, dinâmica e envolvente do pastor Anderson Domingos, através da 104,9 FM da cidade de Lambarí-MG, no programa “Música, Inspiração e Fé”.

Bem até aí tudo bem, hoje graças a internet podemos ouvir emissoras mais distantes possíveis e com diversos conteúdos, mas este programa para mim ontem teve todo um ar da graça especial, por que por aquelas ondas sonoras, pude ouvir mais uma vez o carinho do Pastor Anderson falando mais uma vez da sua origem, conversão e sequencia de ministério.

Ceia do Senhor no dia 13.05.2012

Mas quem é Anderson Domingos? Um jovem pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil de Lambarí-MG. Anderson é o filho caçula de uma família de mais dois irmãos e uma irmã. Seu pai era um caminhoneiro e sua mãe empregada doméstica.

Anderson cresceu sem uma base sólida religiosa, a família tinha uma mescla de catolicismo, kardecismo e um pouco de outros segmentos para garantir a “benção”. Com relação aos seus pais, surgiram complicações familiares oriundas de uma infidelidade conjugal de ambas as partes, o que sempre levava o casal à pratica de marcantes desavenças familiares e desta forma Anderson adentrou a adolescência debaixo de um conflito familiar, aliás, muito comum nos lares brasileiros.

Entremeio às brigas de seus pais e nenhuma eminência de compreensão, em 1977 Anderson sofre um baque fora do comum, quando perdeu seu pai. Com o falecimento do pai, Anderson de apenas 12 anos mudou-se juntamente com sua mãe para a casa de sua avó. Anderson irou-se com Deus e com o mundo todo, pois experimentou abandono, descaso e miséria, sendo humilhado pela família de sua mãe.

Nesse período Anderson se envolveu com maconha e rumava para uma adolescência pervertida, e após contato com alguns autores passou a descrer da existência de Deus. Com 14 anos atingiu seu ápice, envolvido com maconha, amizades ruins, membro de um grupo social que o tornou extremamente arrogante, com uma pseudo-intelectualidade negando a existência de Deus.

Essa foi a pior fase da vida de Anderson, vindo a conhecer a cocaína, o sexo e tendo acesso a muita literatura filosófica, ainda que com 14 anos Anderson não compreendia direito as coisas, ele começou a alimentar um ódio pelas religiões e assim prosseguiu até a virada para os 16 anos.

Por ter lido um pouquinho mais, Anderson se destacou na escola e na sociedade, além de sua arrogância e prepotência entre pares. Integrante de um clube social, ele era o paradoxo de um bom menino que lê, que discute, que é agnóstico" mas, que fumava maconha e vivia pelas "bocas" da cidade com péssimos amigos.

A verdade é que pelo dois lados, Satanás havia cercado Anderson, adulado como como o "presidente do clube tal" que saía no jornal, que andava com gente grã-fina, com um ego inchado e quase explodindo, e assim cada dia mais Anderson estava cheio de si mesmo, mas por outro lado, tinha que enfrentar a realidade de pobreza, morava em uma casa muito pobre, muito simples e por isso para fugir dessa realidade usava os descaminhos da maconha, álcool, amigos bandidos, etc

A cada dia que passava Anderson era puxado para baixo pelos dois lados, que futuro haveria para um jovem assim? Ou seria um soldado elegante do diabo com PhD criticando Deus por um lado, ou seria um traficante e bandido por outro. Há uma semana pra completar 16 anos, Anderson envolveu-se numa briga com uma garota da escola e por pouco escapa de um linchamento popular.

Isso trouxe por demais aborrecimento a Anderson, mas era o começo de uma virada inexplicável. A mãe de Anderson ao tomar conhecimento das proporções que o assediavam, entrou em contato com os seus dois irmãos que moravam em Mogi Guaçu, e ambos empenharam viagem para ver problemático jovem.

O irmão mais velho, Carlos Henrique foi o ultimo a falar na reunião familiar e ele usou uma frase tremenda:” Anderson, se você não tiver Deus no coração não vai poder viver em uma sociedade, terá que viver numa jaula”. Diante disto Carlos Henrique toma Anderson e leva-o para a sua casa, e Anderson não sabia que seu irmão havia se convertido e era membro da Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu, liderado pelo pastor Vanelli.

Por alguns dias Anderson ficou em casa de seu irmão Carlos, mas, nada parecia mudar. Nada, até dia 1º.de julho de 2001 quando ambos foram ao culto daquela igreja. O texto do simples sermão era muito forte. Jeremias 8:22: “passou-se sega, findou o verão, e nós ainda não estamos salvos”. Anderson diz com todas as letras que naquela noite, o Espírito Santo o atraiu com uma irresistível graça, que aquela palavra penetrou de forma tal que o moeu por dentro.

falta ainda a libertação da "cidinha dos crentes"

Depois de algumas caminhadas e mudanças, foi residir em Jaguariúna,SP, tornou se membro da Igreja Presbiteriana de Jaguariúna (SP), ao retornar para Mogi Guaçu foi recebido como membro da II Igreja Presbiteriana de Mogi Guaçu. Anderson sentiu um forte chamado ao ministério e depois de todo processo estudou e hoje é pastor-auxiliar da Igreja Presbiteriana do Brasil em Lambari, MG. Pastor Anderson Domingos, hoje tem 26 anos e é casado com Aline Maciel.


Agradecimento do Pastor Anderson:
“Agradeço ao Pastor Vanelli que faz parte dessa história e ao meu irmão Carlos Henrique Domingos que foi o instrumento que Deus usou para que eu chegasse onde estou. Que Deus os abençoe com esse testemunho”
Anderson Domingos