17 abril 2014

PÁSCOA COMERCIAL, UMA FRAUDE CONTRA O CORDEIRO.





A cada ano nesta época, a exemplo do que também ocorre nos tempos natalinos, um espírito que controla a visão espiritual dos envolvidos diretamente com as pseudos comemorações da páscoa, trabalha incansavelmente para mesclar "comércio, lendas e religiosidade". Comércio nem é preciso muito definição, afinal as empresas que produzem os coloridos ovos de páscoa usam de um marketing especializado, capaz mesmo de alcançar desde o de maior poder aquisitivo até aquele que ajunta suas moedas para comprar um ovinho. Lendas, ah! estão por todos os lugares, nas embalagens e até mesmo nos trenzinhos que passeiam pela cidade com cantigas em alta voz dizendo "coelhinho da páscoa que trazes pra mim, um ovo, dois ovos..." 

É o coelho cantado em prosa e verso. Religiosidade impera por ser efetivamente o "domingo de páscoa", o marco da propalada "ressurreição", já que ele encerra com chave de ouro um tempo denominado de "semana santa", com quinta-feira santa, sexta-feira santa e sábado de aleluia. E aqui é tão forte a questão religião que tornou-se patente que todo domingo de Pascóa é o primeiro domingo depois da Lua Cheia que ocorre no dia ou depois de 21 de março.

É lógico que a data da Lua Cheia não é a real, mas definida nas Tabelas Eclesiásticas, já que a igreja para obter consistência na data da Páscoa, decidiu no Conselho de Nicea em 325 d.C., definir a Páscoa relacionada a uma Lua imaginária, conhecida como a "lua eclesiástica", ou será que é a toa que toda sexta feira chamada santa a Lua é cheia? Já tinha reparado nisto?

Bom deixemos a sexta feira de lado e voltemos para o domingo de páscoa, que apesar do termo de páscoa, não tem nada a ver com o verdadeiro sentido da Páscoa. 

Cada ano é criado uma novidade que faz com que cada vez mais o consumidor dos famosos ovos de páscoa fique totalmente desvinculado com o conhecimento do verdadeiro sentido da páscoa. Será por exemplo, que um pai que vai comprar um ovo de chocolate tem um conhecimento profundo sobre a Páscoa. Com certeza a maioria não. A páscoa só é uma data, uma efeméride religiosa e comercial. Dificilmente alguém que compre um ovo de páscoa, tenha em mente que não se deve desfrutar daquele ovo como símbolo da vida, porque não conhecem a Palavra de Deus que diz através do apóstolo Paulo:"Limpai-vos pois do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós." I Coríntios 5:7.


Símbolos da Páscoa na Nova Aliança
foto: http://www.imagodei.com.br




A páscoa em nada se relaciona com ovos ou coelhos. A origem da páscoa está ligada à saida do povo de Israel do Egito.O livro de Êxodo no capítulo 12, narra que  Faraó, o rei do Egito, não queria deixar o povo de Israel sair, então muitas pragas vieram sobre ele e seu povo. A décima praga porém, foi fatal : a morte dos primogênitos, isto é, cada filho mais velho morreria.  Segundo as orientações dadas por Deus , cada família hebreia, no dia 14 de Nisã, deveria sacrificar um cordeiro e espargir o seu sangue nos umbrais das portas de sua casa. Este era o sinal, para que o anjo da morte, não atingisse esta casa com a décima praga. A carne do cordeiro, deveria ser comida juntamente com pão não fermentado e ervas amargas, preparando o povo para a saída do Egito.

A Bíblia diz que à meia-noite todos os primogênitos egípcios, inclusive o primogênito do Faraó foram mortos, diante disto Faraó  permitiu que o povo de Israel fosse embora, com medo de que todos os egípcios fossem mortos.

Em comemoração a este livramento extraordinário, cada família hebreia deveria observar anualmente a festa da Páscoa, palavra hebraica que significa "passagem" "passar por cima". Esta festa, deveria lembrar não só a libertação da escravidão egípcia, mas também a libertação da escravidão do pecado, pois o sangue do cordeiro, apontava para o sacrifício de Cristo, o Cordeiro que tira o pecado do mundo.

A páscoa cristã surgiu  no ano de 325 de nossa era quando a Igreja Católica transformou-a em uma das suas festas, tomando por base os motivos judaicos, tais como a passagem pelo Mar Vermelho, a jornada pelo deserto em direção à terra prometida, o maná que simboliza a eucaristia, e ainda outros motivos que estão deixando de existir com o passar do tempo.

A maioria das igreja evangélicas comemora a morte e a ressurreição de Cristo através da Ceia do Senhor. Na Páscoa judaica, as famílias removiam de suas casas, todo o fermento e todo o pecado, antes da festa dos pães asmos. De igual forma, devem os cristãos confessar os seus pecados e deles arrepender-se, tirando o orgulho, a vaidade, inveja, rivalidades, ressentimentos. Jesus instituiu um memorial, a ceia, em substituição à comemoração festiva da páscoa. I Coríntios 11:24 a 26 assim diz: "e tendo dado graças o partiu e disse: "Isto é o meu corpo que á dado por vós; fazei isto em memória de mim. Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no Meu sangue, fazei isto todas as vezes que o beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do senhor, até que ele venha."

Repense, pondere e confira na Bíblia, a Páscoa é do Cordeiro, o coelho está de fora. Não coma enrolado.

23 março 2014

AS FOTOS QUE COMPÕE OS 30 ANOS DA MISSÃO PAZ E VIDA - parte 1


Uma boa história se faz com fatos e fotos. Durante quase 30 anos estamos fazendo uma história de fé e conquistas através da Missão Paz e Vida. Aqui estão registradas partes das milhares de fotos que possuímos e que comprovam a beleza da história deste ministério abençoado. Gente que está com a gente ainda, ou gente que se foi mas nunca esqueceu da gente. E assim vamos glorificando ao Senhor.

Hoje quando entramos na 30a.semana que antecede os 30 anos da Missão Paz e Vida que acontecerá no dia 12 de outubro, registramos esta plêiade de lindas fotos com gente a quem amamos. Alguns já se foram, mas deixaram suas impressões numa história abençoada e bem escrita com muita fé. A todos os que aparecerem nas fotos somos gratos pelo empenho que se dispuseram a fazer da história da Missão, uma grande e inesquecível história.

Ainda faltam muitas fotos e iremos postá-las no decorrer destas 30 semanas, não podemos citar a cada irmão ou irmã, mas os registros fotográficos traduzem os nomes de cada um.