13 novembro 2014

PRINCÍPIOS: FUNDAMENTOS BÁSICOS PARA A VITÓRIA



Assisti há pouco tempo uma prova de pedestrianismo onde atletas da ACOG participavam e obtiveram excelentes resultados e acabei por me lembrar de um dos meus textos preferidos: Apocalipse 2:7 “Ao vencedor, dar-lhe-ei que alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus”.

Ser vencedor fala de algo tremendo acerca do milagre que precisamos sobre as nossas guerras pessoais, mas em particular, dei bastante ênfase à guerra psicológica, porque sobre a nossa mente vem muitas interrogações, mais necessariamente quando não alcançamos vitórias sobre algumas áreas que estávamos esperando e aí então, porque não vencemos, porque algumas portas se fecharam, muitos questionamentos vêm à nossa mente acerca da nossa vida, e então surge uma indagação: será que houve alguma intervenção espiritual que impediu a benção?


Primeiro é preciso saber que não há conquistas de vitórias sem as nossas guerras pessoais, mas também precisamos estar conscientes de que não é porque não obtivemos bons resultados em uma batalha que toda a guerra foi perdida.

A história bíblica narra que Israel sempre obteve vitórias nas suas mais destacadas guerras, porém, perdeu algumas batalhas que pareciam impossíveis de perder, como foi o caso de Ai. E aí então nós precisamos admitir que quase sempre não aproveitamos as lições dos nossos erros, que nos levaram à perda de batalhas e o que é pior trilhamos sempre o mesmo caminho com estratégias que não apresentam resultados.


Uma coisa é preciso que nos convençamos, temos um chamado para a vitória, mas isto não nos exime das batalhas e guerras que revelarão o nosso caráter. Nenhuma guerra, nenhuma batalha visa forjar o seu caráter, mas revelá-lo. Eu conheço gente que está passando uma guerra tremenda desde janeiro até hoje,  mas nem por isso perdeu a ternura, não perdeu a revelação da beleza do seu interior.

Paulo quando escreveu a Timóteo não foi pelo caminho do está tudo bem, fica em paz, estamos sossegados, a luta vem e passa, não. Ele foi logo rasgando o verbo, para que aquele discípulo já fosse abrindo a cabeça e tendo uma melhor noção do que vinha pela frente. II Tm 2: 3-7 Participa dos meus sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus. Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou. Igualmente, o atleta não é coroado se não lutar segundo as normas. O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a participar dos frutos. Pondera o que acabo de dizer, porque o Senhor te dará compreensão em todas as coisas.”

Um cristão que pretenda ser um destaque em alguma área da vida, nunca, jamais poderá deixar de lutar, pois todos os sonhos, as metas e objetivos traçados só são conquistados pelos corajosos. Ninguém se iluda, o Diabo arma ciladas para promover a queda de quem crê, daí a razão de estarmos preparados, para não perdermos não só a batalha, mas o pior de tudo, perdermos a guerra. Lembremo-nos o que Pedro disse “ o vosso adversário, o diabo, anda em derredor, rugindo como leão, e procurando a quem possa tragar.” I Pe 5. 8


Mas, glória a Deus que a despeito da ameaça do inimigo, somos respaldados em promessas. Ap 1.17 diz “Não temas; eu sou o primeiro e o último.” Eu gosto desta expressão, porque ela grita no meu ouvido: o que estou querendo dizer é que você não deve ter medo, e sabe porque não devemos ter medo, porque nada é mais forte contra a fé do que o medo.

Quando deixamos o medo assumir o controle, neutralizamos a fé, e aí a possibilidade da vitória é anulada. Há uma força imperativa nesta frase do Senhor: Não temas!

Nós estamos contemplando neste 2014 o brotar de todas as sementes plantadas pela fé em 1984, e estão despontando à luz de uma forma sobrenatural, justamente quando chegamos aos 30 anos de ministério da Missão Paz e Vida com colheitas de qualidade, com ovelhas acrescentadas ao rebanho e interessadas no crescimento do reino e dotadas de espírito voluntário, aptas a agirem em colaboração e empenho para o crescimento do reino. Percebe-se que elas não têm o vírus da tarja, que visa placa e nome, elas têm sede de cumprirem e levarem a feito o “negócio do rei, que é urgente”. Como é triste ver gente que se converte ou ingressa a um rebanho e passa ser apenas um agente publicitário do local onde reúne. A Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu caminha por princípios, e princípios não visam formar “garotos propaganda de uma placa”.

A reforma do prédio  da igreja é outra conquista a partir das semeaduras de toda esta jornada, em particular graças à pujança dos pastores Evandro e Nohemy, nestes últimos três anos que atuam como titulares da igreja.

Evidente que toda boa colheita tem causa, e a causa é que aprendemos que temos uma posição no Reino de Deus, e  esta posição é a de vitoriosos  no mundo espiritual onde temos um nome todo especial: vencedores. O nosso chamado é para a vitória e é por isto que inúmeras vezes aparece no livro de Apocalipse as promessas “ao que vencer”…


A maior alegria que Deus tem é quando encontra gente que topa levar avante a valentia espiritual e não se amedronta no meio da jornada e usa dos momentos de lutas e guerras como oportunidade para mostrar mais uma vez ao inimigo que ele é um derrotado.


Ou será que Deus brincou quando revelou em sua Palavra que nos deu um espírito de ousadia? Não! É real. Veja o que está escrito em II Tm 1:7 “Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação”. Nada de ficar chorando as pitangas pelos caminhos da vida, não, somos um povo ousado, corajoso e vencedor pela decisão de Deus.

É hora de parar de pensarmos pequeno. Nós temos Jesus, e Jesus é a nossa solução e a nossa solução é maior que o problema, e o que faz o problema se tornar grande é nossa atitude quando surge a adversidade, porque na verdade a luta em si não é a luta, mas a nossa ação diante dela, porém, se somos convictos que a solução é maior que qualquer ataque do inimigo, então ninguém mais nos botará medo.


Às vezes agimos na contra mão da vitória porque nos esquecemos das promessas de Deus. Por exemplo, a citação de Isaías 43.26 nunca pode ser esquecida, é uma autêntica promessa ”desperta-me a memória; entremos juntos em juízo; apresenta as tuas razões para que possas justificar-te”.


A realidade é que Deus separou algo especial para quem vencer e a nossa caminha depois de mais de 30 anos de ministério traduz-se que somos vencedores. E vencedores nunca ficam divulgando as más notícias, não são dotados de um espírito “datenesco”, que só mostra as obras do diabo, não, não e não, no ofício apostólico, trazemos sempre uma melhor notícia para a e da Missão Paz e Vida.

Guardemos esta palavra, na nossa guerra, na nossa luta até aqui, precisamos tomar consciência: de que não estamos lutando contra um inimigo que já foi derrotado, não precisamos ficar em treinamento de como derrotar o inimigo, não se derrota quem já está derrotado, não se chuta cachorro morto. Se alguém não crê, recorra às cartas, às Cartas Paulinas, que revelam os efeitos redentivos da morte de Jesus, Colossenses 2:15: “e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs aos desprezo, triunfando deles na cruz”.

Glória a Deus. Jesus já conquistou no Calvário a nossa vitória sobre as trevas, mas como o diabo é persistente, tenta nos desanimar, tenta nos levar a um esfriamento na reta de chegada à vitória, porém, nós temos um ícone, um referencial da vitória, o Senhor Jesus Cristo, e Ele é poderosamente, gigantescamente maior que qualquer ataque do inimigo. Não fiquemos olhando para o ataque do diabo, olhemos para a vitória de Cristo, que em consequência é a nossa vitória por que temos a nossa vida escondida Nele conforme Colossenses 3:1-3 ”Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus.” Não fiquemos mais presos ao que está embaixo, embaixo dos nossos pés.

Este texto de Apocalipse 2 faz a nossa mente se voltar às promessas tremendas que o Senhor nos deu e então somos estimulados a permanecer na luta, sem cessar, para alcançar a vitória. No caminho dos princípios de Deus não encontramos facilidades, até porque devemos ir avante à trilha passo a passo, para não enredarmo-nos em fatos surpreendentes e para isto um princípio predominante é que devemos crescer de glória em glória.


Qual é o grande problema que muitos cristãos enfrentam hoje? Não são as suas lutas triviais, mas o fato que querem começar por onde os outros estão terminando, um exemplo claro disto acontece na área musical, pegamos uma música e queremos executá-la com toda a instrumentação que está no cd. Impossível, isto é válido no mundo, e aí se coloca a denominação “cover” no que se fez. Na minha época de mocinho tinha um conjunto chamado “Os Carbonos”, só gravavam sucessos iguaizinhos aos que os outros gravavam.

Espiritualmente falando, Deus nunca sonhou que cada um viva a experiência do outro. Só que a experiência pessoal tem que ser respaldado nos princípios da Palavra. E aí vai acontecer o que? Deus tem satisfação, alegria, se realiza em falar com Seus filhos. É, mas eu queria tocar ou cantar aquela música. Qual é a música? Eis me aqui da Ana Paula, mas você conhece a história desta música? Só a Ana Paula passou por uma experiência para compor esta música, então se pode até cantar igual, mas nunca sentirá o que levou a Ana Paula compor esta canção.

Deus não quer que vivamos segundo as experiências de terceiros. Cada um, respaldado na Palavra, deverá ter a sua própria experiência com o Pai. Deus se alegra em falar com os Seus filhos.  Provérbios 8:17 traz um palavra tremenda sobre isto:” Eu amo os que amam; e os que me procuram me acham.” , e Jeremias 29:13 reforça a idéia:”Buscar-me eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração”.


A fórmula de Deus para a vitória é baseada em Seus princípios divinos, e se assim procedemos temos o direito de derrubar os gigantes que se levantam contra nossas vidas e se estamos escondidos nos princípios não nos assustaremos com os gigantes que se levantam de todos os lados.

Vamos às promessas, “Ao que vencer…” Preste atenção nesta frase. É uma chamada condicional e então decidimos vencer ou não. Mas, não creio que quem leu até aqui esta postagem, seja alguém que opta, que escolhe a derrota. Não, creio que vai integrar o grupo de valentes, e valente só escolhe vencer. O cenário da vitória está montado, tome decisão e Deus te prepara para a vitória através dos seus princípios.

Mas mesmo assim alguém se levanta e questiona: mas e aquela batalha que não foi vencida? E daí? Isto não aponta que se perdeu a guerra. Em 40   anos de ministério e 27 anos de pastoreio na Missão Paz e Vida, perdi muitas batalhas, mas estou vendo que vamos vence neste  uma guerra fenomenal neste findar de 2014.

Quem estiver andando segundo seu próprio plano, estratégia pessoal, seguindo sua própria vontade, com panca de que já sabe tudo, deixando a soberba tomar conta da vida, andando no próprio caminho traçado, o próximo passo é a queda. Vejamos o que fala a Bíblia em Provérbios 16:18 “a soberba procede a ruína, e a altivez do espírito, a queda.”

Vencer requer algo: dependência de Deus. E quem depende de Deus não é um covarde. É um valente de Deus. E Deus tem um comando para os que estão andando nos seus princípios: VENÇAM!

Porque diz a Santa Palavra “Bem aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam” Tiago 1:12

Promessa de Deus não é para fracote na fé. É para valente, corajoso, guerreiro, adestrado para a guerra e vitorioso, para o covarde, há punição.

Os princípios não podem ser quebrados, mas os princípios para serem aplicados, exigem a atenção ao que o Espírito diz. A Santa Palavra vem nos ministrando que quem tem ouvidos, ouça. “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus” Ap 2:7.

Sabe do que fala isto? Fala de obediência. Ouvir é igual obediência. ”Se quiserdes e me ouvirdes, então comereis o melhor dessa terra.” Is 1:19.

“Quem há entre vós que ouça isto? que atenda e ouça o que há de ser depois?” Is 42:23. “Ouvi agora isto, ó povo insensato e sem entendimento, que tendes olhos e não vedes, que tendes ouvidos e não ouvis.” Jr 5:21.

Aprendi uma expressão interessante no decorrer do tempo:”quem não ouve cuidado, ouve coitado. A Bíblia diz: “Quem tem ouvidos, ouça!” Isto quer dizer: quem ouvir, obedeça.

Rumo à vitória com os princípios de Deus. Amém? Quem diz sim aos princípios de Deus não para de lutar, é hora de nos firmarmos nos princípios  divinos e experimentarmos mais uma vez a vitória.

08 novembro 2014

QUANDO SURGEM AS TEMPESTADES DA VIDA




Constantemente passamos por situações que podemos definir como verdadeiras tempestades que se insurgem em nossas vidas. É de repente, estava tudo calmo, mas aí chegou a má noticia. Uma enfermidade em alguém da família, um acidente, a dispensa do trabalho, o rompimento do noivado, a separação do casal amigo. É lógico que já estamos avisados, Jesus disse: no mundo tereis aflições, e então quando surge a tempestade do nada a primeira pergunta que vem é: e agora, o que fazer? Que providência tomar? Em que vamos nos agarrar agora? Tempestade geralmente é expressada por fortes ventos de força avassaladora.

Normalmente em decorrência do imprevisto que se nos abateu temos a tendência de fraquejarmos na fé confessional, e nos apegarmos a reclamos, expressões de desespero e perda do norte. Mas, é nesta hora que precisamos atentar ao fato que o Senhor fez nos promessa que estaria conosco todos os dias da nossa vida e Ele é senhor também sobre as tempestades.

Tempestades em principio, na maioria das vezes na nossa vida, não são necessariamente agitações da intempérie, antes, vários problemas e dificuldades que surgem no cotidiano, em forma de verdadeiras turbulências psicológicas.São oriundas de desacertos no relacionamento com o cônjuge, alterações na vida sentimental, perseguições na área profissional, enfermidades que surgiram inexplicavelmente. Quanto às dificuldades no lar em diversos segmentos nos levam a crer que uma grande nuvem escura encobriu o sol que iluminava a nossa casa, e a sensação mais estranha possível é de que parece que Jesus que tanto mos protegia tirou folga ou viajou, parece me que Ele está ausente.

Há um texto interessante em Marcos 4.35-“Tarde naquele dia, Jesus lhes disse: Passemos para o outro lado. E, deixando a multidão, eles o levaram consigo no barco, assim como estava. Outros barcos o seguiam.Levantou-se então um grande vendaval, e as ondas arremessam-se contra o barco, de modo que ele já estava inundando. Jesus, porém, esta na popa, dormindo sobre uma almofada. Os discípulos o despertaram e lhe perguntaram: Mestre, não te importas que pereçamos? E, levantando-se ele repreendeu o vento e disse ao mão:Cala-te! Aquieta-te! E o vento cessou, e fez-se grande calmaria. Então lhes perguntou: por que estais tão amedrontados? Ainda não tendes fé? Ele ficaram apavorados e diziam uns aos outros: Quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Bíblia Século 21).

Ora, por que os discípulos ficaram tão espavoridos diante de uma tempestade? A maioria tinha experiência na pesca e já havia enfrentado tempestades como aquela, mas o medo e o pavor fê-los esquecer temporariamente que a solução estava na proa, e quando se apercebem do perigo que já invade o barco interpelam a Jesus com uma enfática pergunta: Mestre, não te importas que pereçamos? Ora, eles já haviam visto sinais e prodígios tremendos realizados por Jesus, e por que este medo agora? Jesus é clássico na exortação que dá nos discípulos: “Porque estais tão amedrontados? Ainda não tendes fé? Parecia mesmo que Jesus queria dizer:“vocês tem andado comigo todo este tempo, e não tem dentro de vocês a força impulsora da fé, capaz de cessar uma tempestade, de vencer os ventos com uma palavra de fé? Eu tenho ensinado a vocês que quem crê vê a gloria de Deus.

Tempestade acalmada, vento aquietado, tudo calmo? Não o versículo 41 diz que os discípulos ficaram apavorados. Um temor fora do comum tomou conta dos discípulos. Porque isto? Eles estavam mais com medo do poder que parou a tempestade do que da própria tempestade, por isto exclamavam: “mas quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?”. Na verdade ali caiu a mascara dos discípulos, andavam com Jesus, mão ainda não conheciam totalmente a Jesus, ou ainda não eram um com Ele, por isso temiam. Medo é falta de fé. Temor é a incapacidade de crer que o Cristo que faz o milagre está em cada um de nós, e nós podemos agir de igual forma.

Será que as palavras de Jesus “aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas” em João 14.12 foi só uma alegoria? Não, esta palavra de Jesus foi uma procuração que Ele entregou aos que crêem, para que Deus seja glorificado ao responder as orações para salvar, curar, agir sobre a natureza, mas Ele não pode despachar favoravelmente a estas orações se elas não forem legitimadas pela petição em fé e sem duvidar. O texto de Hebreus 11:6 conclama a isto: “Sem fé é impossível agradar a Deus, pois é necessário que quem se aproxima de Deus creia que ele existe e recompensa os que o buscam”, e Marcos 11:22-24 é a grande confirmação:“Tende fé em Deus.Em verdade vos digo que se alguém disser a esse monte: Ergue-te e lança ao mar, e não duvidar no coração, mar crer que se fará o que diz, assim lhe será feito. Por isso vos digo que tudo o que pedirdes em oração, crede que já o recebestes, e o tereis” (Bíblia Século 21).

Ora se pedirmos crendo no coração, sem duvidar, a coisa vai acontecer, agora o que não podemos é querer discutir com Deus a forma que deve acontecer o milagre.Se eu tenho o dom de Cristo dentro de mim(Ef.4.7), se eu orei com fé, crendo no meu coração, diz que assim será feito, agora a forma que Deus vai fazer não cabe a mim interferir, Deus nos entrega o milagre pronto, não o milagre bruto, em uma peça e nos dá um formão, uma entalhadeira e nos credencia a esculpir a benção. Orado, crido, chamado a existência, agora é Deus no comando. Ele fará segundo o seu beneplácito.

Esta colocação me faz lembrar de uma história de um homem em fuga. Ele fugia desesperadamente selva adentro, de guerrilheiros fortemente armados. E entremeio a floresta, já cansado de tanto correr, parou para orar e clamou: “Deus põe um anjo nesta picada para que eles construam um obstáculo tão forte que aqueles homens não me encontrem”. Tão cansado assentou se e de repente começou a ver duas aranhas a tecerem teias de um lado para outro entre os cipós laterais. E tomado de canseira, reclamava, Deus eu pedi um anjo e me envias duas aranhas para fazer teia na trilha? E as aranhas trabalhavam ordeiramente produzindo a teia. Em pouco tempo na entrada daquela picada estava uma enorme teia com as aranhas, foi aí que surgiram os guerrilheiros. Três picadas diferentes se bifurcavam diante deles, foi quando o comandante gritou: vamos um grupo por cada lado, porque onde está esta teia e aranhas ele não passou”.

O livramento, o milagre, a tempestade controlada, saem praticamente formados de dentro de nós. A glória de Deus manifestada em nossa vida depende da crença que nós somos tudo o a Bíblia diz que somos, que temos tudo o que Bíblia diz que temos e que podemos tudo o que a Bíblia diz que podemos. Não há o que temer, há só o que crer. Quando crermos veremos a Glória e então saímos do nível da mediocridade e passamos a viver além das tempestades e acima dos ventos. 

04 novembro 2014

MENDIGO ENTRA EM IGREJA E DÁ O SEU MELHOR PRA DEUS





Um mendigo entrando em uma igreja não é sempre visto com bons olhos, antes, a primeira coisa que vem à cabeça de quem está à frente do trabalho da igreja é a ideia de que é mais um para pedir, para conseguir uma passagem para algum canto, um dinheiro para comprar uma marmita, que na maioria das vezes toma outro destino.

Confesso que em 38 anos de ministério pastoral vi dezenas de mendigos entrarem quase que sempre no meio do culto, tomarem assento e até alguns que ficaram até o final da palavra. Estas pobres vidas acabavam por me deixar numa situação bastante complicada, porque sempre qualquer investimento feito, no outro dia era motivo de arrependimento, pois na maioria das vezes eu me deparava com quem ajudei no dia anterior todo embriagado, caído na sarjeta ou ainda esmolando mais juntos às pessoas.

Como diretor de uma casa de reeducação social (não gosto do termo “recuperação de viciados”) que acolheu mais de 2000 vidas totalmente de caráter gratuito no período de 1988 a 2011, abri “n” oportunidades para estes que perambulam de cidade em cidade, que contam as suas necessidades e que carecem de uma retomada de oportunidade na vida. Alguns foram objetos de verdadeiros milagres e acabaram por acertar o rumo do caminho da nova vida, outros não suportaram nem a “provação de 10 dias” e já se atiraram outra vez na lama da vida sem Deus, como a porquinha que volta ao espojadouro.(II Pe 2:22b)

A maioria dos mendigos que entra em uma igreja o faz para buscar algum benefício, e é lógico que diversos deles que ajudei no tempo que exerci o pastorado, se tornaram verdadeiras flanelas que poliram a minha coroa. Deram muito trabalho, mas acabaram por acertaram o passo da vida, retomaram a família e se tornaram um cidadãos úteis a si mesmos, à família e à Pátria, mas repito, a maioria traz consigo “ um conversa decorada “ para pedir, pedir e pedir algo e vivem em torno de um só exercício: o de estender a mão e pronunciar uma só frase por todo o tempo: “ me dá”!

Então é até natural que a gente se precaver quando surge um mendigo, quer seja na porta de casa, na rua, e até mesmo na porta da igreja. Mas, como toda regra tem sua exceção, aconteceu recentemente em uma igreja evangélica, um mendigo adentrou a nave do templo, e quando o oficial de serviço foi atendê-lo já próximo ao altar e foi surpreendido. O mendigo não foi pedir nada do que os homens podem dar, o mendigo foi e ofereceu ao Senhor um cântico. Simples, sem instrumentos (na internet já fizeram até arranjo musical, não custa nada mesmo), ele se aproximou e rasgou sua alma naquela casa de Deus.

Aqui não cabe nenhum julgamento sobre o que ele é ou foi. Muitos estão falando em “um diamante” a ser trabalhado, outros que este homem já foi “levita” (nomenclatura moderna para quem canta em igreja) e encontrava-se desviado, longe dos caminhos de Deus já trilhado. Tenho a convicção que em nenhuma das hipóteses levantadas a atitude do mendigo pode ser julgada. Para Deus não importa o estado do que se aproxima do altar, estamos na nova aliança, e então onde abundou o pecado, superabundou a graça. (Rm 5:20b)

Que preciosa esta atitude entremeio a tantas pessoas que entram às igrejas vazias e saem vazias, que não perdem seus cultos por nada, mas nada podem oferecer ao Senhor, que lindo ver este mendigo que entrou em uma igreja evangélica, não sei qual delas, e ali ofereceu ao Senhor  tudo o que ele tinha: “ a sua voz, não como arte ou habilidade, mas como uma oferta de amor à Deus”. Talvez vendo este vídeo muitos poderão se despojar de suas “performances” artísticas e também rasgarem o coração diante de Deus, dando o que nasça da alma, e não o que tem por dom natural.

Veja e ouça o vídeo, ore e pondere sobre.


31 outubro 2014

497o. ANO DA REFORMA PROTESTANTE



Quando pensamos na Reforma falamos do movimento religioso que propunha reformar uma série de doutrinas e práticas que estavam em vigor na Igreja e que não estavam de acordo com princípios cristãos expostos na Bíblia. Lutero não queria e nunca foi sua intenção fundar uma nova Igreja, mas sim que a Igreja reconhecesse seus erros e os coibisse. Muitos não vêem neste período mais do que um movimento de oposição político-religioso, mas queremos lembrar que ele foi bem mais do que isso, ele foi um movimento de fé, motivado e empurrado por ela para o resgate de uma verdade necessária e fundamental para todo o ser humano, de que nós somos salvos, vivemos e somos perdoados por um ato da misericórdia e da bondade de nosso Deus, que veio ao nosso encontro no seu Filho o Salvador Jesus. Não foi porque fizemos alguma coisa, mas porque Deus nos amou.


Conta a história que Lutero, já professor e doutor, numa das noites de 1514 fez uma grande descoberta. Estava trabalhando em suas anotações sobre o livro de Salmos. O salmista tinha citado as palavras que Jesus proferiu sobre a cruz: “Deus meu, Deus meu porque me abandonaste?” Lutero estava intrigado, porque haveria o santo filho de Deus sentir-se abandonado pelo Pai? Lutero tinha se sentido assim muitas vezes, mas ele era pecador e Jesus era puro e sem pecado. A única resposta é que Cristo tomou sobre si mesmo os nossos pecados. Certamente o Deus que fez isso por nós é um Deus misericordioso! No entanto Deus não é apenas misericordioso; ele é também santo e justo. Lutero já tinha se deparado com as palavras, “Justiça de Deus!”


Para ele isso mostrava que Deus demonstra a sua justiça e sua retidão castigando os pecadores, essas palavras eram motivo de temor. Como Paulo muitas vezes desenvolve esse conceito, Lutero se volta para as suas cartas na tentativa de entendê-lo melhor. Em Romanos 1.17 podemos ler: “Visto que a justiça de Deus se revela no Evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”. Lutero pode perceber o real significado do termo “Justiça de Deus”, que não significa a bondade que o próprio Deus tem, mas sim a bondade que ele nos outorga, essa justiça não é uma recompensa, mas sim um presente gratuito dado a todo aquele que crê que Jesus sofreu e morreu pelos seus pecados, em seu lugar. Lutero ficou emocionado com essa redescoberta e disse: “Senti-me exatamente como se tivesse nascido de novo”. Pela primeira vez em sua vida Lutero pode ter a certeza de que os seus pecados estavam perdoados. Deus não deixou de ser justo, ele castigou o pecado, mas não em nós, ele castigou o pecado em seu Filho.

Deus, em sua sabedoria, providenciou um momento histórico propício para que a Reforma pudesse acontecer. No dia 31 de Outubro de 1517, Lutero fixa na porta da Catedral de Wittemberg, 95 despretensiosas teses. Lutero se propunha a um debate acadêmico sobre o valor das indulgências e seus efeitos na vida dos cristãos, das Comunidades Cristãs e da Igreja Cristã. A partir desse momento, nem Lutero poderia ter previsto o que iria acontecer. Os fatos se desenrolaram de tal forma que Lutero foi levado a defender e aprofundar cada vez mais as verdades que defendia. Ele estava se indispondo contra a autoridade máxima do Império. O fato é que a Reforma se desencadeia e Lutero em pouco tempo se vê diante do próprio Imperador defendendo essas verdades.


Apesar do Papa ter excomungado Lutero em janeiro de 1521, quem poderia declarar Lutero um fora-da-lei era o Imperador Carlos V, mas o Imperador precisava do apoio da Alemanha contra a França e os Turcos e não podia se indispor contra os príncipes eleitores da Alemanha. Lutero, como poucos, viveu a frase acima. “Eu e Deus somos maioria!” Muitas vezes ele questionou se estava de fato certo. Mas amparado pela Palavra de Deus e pela certeza de que estava de acordo com ela, compareceu diante do Imperador na dieta de Worms para defender as verdades bíblicas e doutrinárias redescobertas na Palavra e expostas em seus escritos. Os seus amigos insistiram para que ele não fosse, ao que ele respondeu: “Cristo ainda vive, e eu entrarei em Worms a despeito dos portões do Inferno e dos poderes das trevas.” Num primeiro momento, em que estavam presentes todas as autoridades do Império, e o próprio Imperador, lhe lançaram uma pergunta de duplo sentido em que cabia a ele apenas se retratar, “Dr. Lutero, o senhor admite que esses livros são seus e que estava errado no que escreveu?” Os títulos foram lidos e Lutero pede um tempo para pensar, pois argumenta que a questão diz respeito a Deus e a fé das pessoas. No dia seguinte Lutero, mais seguro, responde sobre a questão, e diz: “A menos que me convençam pela Escritura ou por razões claras, de que estou errado, eu permaneço constrangido pelas Escrituras. Não posso me retratar, Deus me ajude. Amém.” Ali estava Lutero! Sozinho? Não, com a maioria que é Deus. Deus estava no contexto histórico e político, nos amigos que o apoiavam, nos príncipes cristãos que reconheceram em seus escritos a autoridade da Palavra, ou seja, Lutero mais Deus era maioria!


Tudo isso é mais do que uma boa história. O que a mensagem da Reforma tem a nos dizer ainda hoje? Tudo o que o próprio Evangelho nos diz, e o que relembra o apóstolo Paulo em Efésios 2. 8-9 “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.” O centro do próprio Evangelho é o que Lutero redescobriu de que nós somos salvos por um ato de pura bondade e amor de nosso Deus, a Graça, e que recebemos essa salvação pela fé em Jesus.

Qual a relevância dessa mensagem hoje?


- Penso nas muitas pessoas que se sentem culpadas por causa de seus pecados e não tem a certeza de saberem que são perdoadas pela Graça de Deus.


- Penso nas muitas pessoas que ainda hoje vivem em sistemas religiosos que não deixam claro o favor de Deus.


- Penso nas muitas pessoas que não se sentem amadas e queridas, por não terem a consciência de que Jesus morreu por todo o mundo, mas que morreu por elas individualmente.


- Penso nas muitas pessoas que se esforçam muito em suas vidas, e tentam assim comprar a salvação e obter o favor de Deus e não tem a certeza de que o favor de Deus é Graça de graça.


- Penso nas muitas pessoas que poderiam viver com alegria a sua fé, capacitadas por Deus, por amor e gratidão ao Salvador, mas ainda tem pavor de Deus.

- Penso nas muitas pessoas desesperadas na hora de sua morte por uma consciência atribulada e que morrem em completo desespero.


- Penso nas muitas pessoas que vão ser condenadas ao inferno por não confiarem em Jesus como seu Salvador.


- Por todos esses motivos lembrar de que nós somos salvos pela graça de Deus é a coisa mais importante que nós podemos fazer.


Que Deus nos abençoe quando celebramos a Reforma, que não seja apenas o momento de exaltar um herói da fé como foi Lutero, mas seja um momento de gratidão pela Salvação que nós temos em Cristo. Amém

“O justo viverá por fé.” Romanos 1.17.

(Autor: Rev. Rubens José Ogg – Secretário Nacional da Igreja Evangélica Luterana do Brasil = http://www.ielb.org.br)

30 outubro 2014

HALLOWEEN: UMA FESTA MAIS PERIGOSA DO QUE SE PENSA.

zwani.com myspace graphic comments
Tradução: Doce ou Travessura: espero que você tenha algo bom para comer




Você sabe o que é o Halloween? É algo mais perigoso do que se pensa e quem diz isto é o histórico desta sinistra festa.

DEFINIÇÃO DE HALLOWEEN:

Nome derivado de "All Hallow Eve" ou "Véspera do dia de todos os Santos" e se celebra na noite de 31 de Outubro.



ORIGEM:

Se deriva dos ritos dos Druidas (Sacerdotes de tribos europeias chamadas Celtas) para celebrar o dia em que Samán, o deus dos mortos, invocava os maus espíritos a reunir-se na ultima noite do ano para examinarem o futuro e lembrarem-se dos seus antigos lugares na terra. Quando os romanos conquistaram os territórios dos celtas, especialmente na Escócia e Irlanda aderiram a esta festa, o festival romano "A Colheita" que realizavam em 1° de novembro em honra de Pomona a deusa das arvores frutíferas e mudaram sua celebração para 31 de outubro. 

Na religião dos celtas, se cultuava numerosos deuses dentre objetos naturais como arvores e lagos, seus sacerdotes os druidas que geralmente eram adivinhos, magos, ou bruxos, costumavam fazer grandes fogueiras no halloween aparentemente com propósito de proteger-se dos maus espíritos. Outros costumes de influencia romana que ainda persiste e o divertir-se com frutas, tal como pescar maças com a boca em recipiente com água, ou de fazer esculturas com abóboras ocas e acender velas dentro delas.

Gradualmente a festa do inicio do outono adquiriu uma característica sinistra. Crê-se que nesse dia fantasmas, fadas, bruxas, demônios de todas as classes e duendes rondavam por ali. Era o tempo favorável para aplacar os poderes sobrenaturais. Assim mesmo cria se que o halloween era o dia mais apropriado para todo tipo de adivinhações sobre casamento, sorte, saúde e morte. Este era o dia em que de uma maneira especial os pagãos invocavam a ajuda do diabo para esses propósitos.

Meados de 43 a.c os romanos conquistaram os celtas e converteram a ilha em uma província romana. A Festa pagã de Samám influenciou a festa do "dia de todos os santos" (All hallows Eve) que se celebra no mesmo dia.

Lentamente "All Hallow Eve", deixou de ser uma festa religiosa e se tornou uma festa secular em que algumas praticas e disfarces com esse sentido sinistro se desenvolveram. Havia nascido o Halloween.


Na Escócia, alguns jovens se reuniam para "Jogar", jogos em que adivinhavam quais deles iam casar no ano seguinte e em que ordem. No final do século XIX imigrantes Irlandeses introduziram a festa de Halloween nos EUA.

A comercialização desta "festa” foi iniciada principalmente pelos comerciantes americanos buscando a ganância econômica pela venda de doces, fantasias, selos, pôsteres, etc, utilizando neste dia em forma "velada e inocente" ritos e costumes derivados de cultos a Satanás, espíritos malignos e deuses pagãos.

O povo brasileiro havia permanecido alheio a isto, mas nos últimos anos se tem infiltrado muitos costumes americanos, entre eles o Halloween que agora está difundido.

O inglês "Trick or treat" (doce ou travessura) tem degenerado em um ditado: "Triki, Triki, Halloween", em que as crianças vão de casa em casa pedindo doce; se não lhes dão doce e às vezes ainda que lhes dêem picham paredes, quebram janelas, floreiras, etc. A festa de Halloween por sua aceitação e popularidade está se convertendo em uma tradição que todos celebram.

Está comprovado que a noite de 31 de Outubro na Irlanda, EUA, México, Brasil, e em muitos outros países se realizam missas negras, sessões e outras reuniões relacionadas com o mal, aproveitando que uma infinidade de espíritos malignos são invocados livremente em todo o mundo.

Deuteronômio: 18:10-12ª “Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos, pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor". 

Atualmente os jovens, adolescentes e crianças (o que é mais triste), celebram o Halloween vestidos de diabos, bruxos, mortos, monstros, vampiros, e outros personagens relacionados principalmente com o mal. Normalmente os sacos que levam para os doces tem desenhos com cara de abóboras, gatos pretos, caveiras e colocam a frase: Halloween, noite das Bruxas.

Se estamos certos que Deus é um Deus zeloso e que todo o relacionamento com bruxos, mortos, feiticeiros, é abominação contra Ele e sabendo que Halloween é um costume "importado" de outras nações, derivado da adoração ao deus dos mortos, e a deusa das árvores frutíferas, continuaremos permitindo que nossos filhos se contaminem com "celebrações" que não agradáveis diante dos olhos de Deus, que corrompem os costumes cristãos, nossos valores e bons costumes?
 
Muitos pais de famílias cristãs têm dito a este respeito: "é que meu filho tem muitas ilusões e como todos seus amiguinhos já tem sua fantasia... então..."

A carta aos Efésios 6:4 nos diz: "Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor". Quão aplicável é e ainda hoje ressoa a voz de Deus através do profeta Ezequiel 11:12: "E vocês saberão que EU SOU O SENHOR, pois vocês não agiram segundo os meus decretos nem obedeceram às minhas leis, mais se conformaram aos padrões das nações ao seu redor". 

REFLEXÃO:

Só se celebra o que se admira ou o que se quer. Não há ninguém que celebre um dia dedicado a seu inimigo. Só os nazistas celebram a Hitler; os judeus não o celebram porque foi seu inimigo, seria o cúmulo se os judeus celebrassem o aniversário de Hitler. Será lógico que nós cristãos celebremos aos que tem consagrado sua vida ao diabo? É correto que os filhos de Deus comemorem aos servos do inimigo de seu Halloween: A Festa que destrói nossos princípios e a nossa fé. Você sabe o que se celebra nesse dia?

Certo dia uma menina viu umas letras em um cardápio de um restaurante chinês, e gostou muito das suas formas, então resolveu imprimir em uma de suas camisetas. Depois de muito tempo usando esta camiseta sem saber o significado, um amigo que falava chinês lhe disse o significado das letras, era o seguinte: BARATA, MAS BOA.

A menina estava se oferecendo por muito pouco sem saber, essas coisas acontecem quando fazemos algo sem saber o seu significado, assim como acontece com o Halloween.

A cada ano se espera que a festa do Halloween venha com mais força, os comerciais de televisão ficam repletos das cores abóbora e preto e mais bruxas, demônios fantasmas, gatos negros monstros, etc...Preparam esses disfarces para celebrarem a festa, mas será que sabem a sua origem?



Fonte histórica: afinidades.com.br

12 outubro 2014

MISSÃO PAZ E VIDA 1984 - 2014 - 30 ANOS

,



Olhar para a foto da futura nova sede da Missão Paz e Vida abre se um foco de perspectiva de qual maravilhosa ficará está igreja tão bem instalada na Avenida Carlos Braga de Faria, 527 - Cruzeiro. Desde 14 de julho deste ano estamos trabalhando com empenho e afinco para vermos num tempo breve concretizada esta obra, um presente de Deus justamente no ANO 30 DA MISSÃO PAZ E VIDA.

Justamente, hoje 12 de outubro chegamos às Bodas de Pérola da Missão Paz e Vida e aqui cabe fazermos algumas considerações, partindo da premissa que em 1984 dávamos os primeiros passos deste abençoado ministério.

Além das boas coisas que experimentamos como família sacerdotal até 1984, este foi um ano que destacou-se como tempo referencial de existência para mim e para minha esposa Sara. 

O ano de 1984 trouxe a existência duas importantes marcas de realização pessoal. Pai de 2 excelentes filhos, Abrahão e Nohemy, nascia em 06 de abril, o terceiro filho que recebeu o nome de João, homenagem ao pai da Sara, nosso estimado irmão João Madureira. A segunda coisa de destaque veio em outubro, mas antes quero lembrar alguns fatos que são acusados na minha fita mnemônica referente aquele ano de 1984.

Lembro me por exemplo que 1984 foi o ano dos Jogos Olímpicos de Los Angeles nos EUA, e quem não lembraria do Movimento Diretas Já pedindo a volta das eleições diretas para presidente do Brasil. Difícil ainda fica de esquecer que em outubro de 1984, nascia  Ana Paula Bettencourt Caldeira na cidade de São José dos PinhaisRegião Metropolitana de Curitiba,  o primeiro bebê de proveta no Brasil, e surpreendam-se, não se escandalizem da minha lembrança, em agosto de 1984 é exibido pelo SBT o primeiro episódio da série Chaves, e para a surpresa de todos os pré-adolescentes em 1984 foi o ano que os vídeos games quase deixaram de existir. Por outro lado, em 31 de outubro a triste notícia do assassinato da grande estadista da India, Indira Ghandi e por que não citar também com pesar que em Agosto de 1984 iniciava o fim de uma era onde Mogi Guaçu tinha a denominação da Capital Cerâmica do Brasil.

É lógico que poderia estender um sem número de acontecimentos se recorresse aos poderosos jornais do Brasil ou ainda até aos nossos dois destacados hebdomadários da cidade na época. 

Fatos importantes, marcantes e que estão gravados na linha do tempo da nossa existência, mas é justamente em 12 de outubro de 1984 que Mogi Guaçu ganha a Missão  Paz e Vida. Sob a liderança do Pastor Vanelli e Pastora Sara, juntamente com o saudoso Pastor Cláudio Toledo começava então a história da Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu. Não há em Mogi Guaçu uma Igreja evangélica que não tenha uma vida que foi alcançada durante estes 30 anos de trabalho. Renomados pastores tem declarado isto e orado por nossas vidas, porque tudo o que o Senhor determinou a nós, assim fizemos. Estamos felizes em podermos atingir esta marca de 30 anos de Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu.

A Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu é uma igreja com uma visão de abrangência local. Desde a sua fundação a igreja opera com uma visão apostólica territorial limitada à área geográfica de Mogi Guaçu, trabalhando com intercessão para cobrir as áreas sociais, de governo, finanças e mídia de Mogi Guaçu.

Registramos aqui nossos agradecimentos a todos que colaboraram para que o nosso ministério fosse coroado de êxito, quer seja contribuindo de forma direta, participando das atividades, sendo integrantes da membresia ou apenas simpatizante da obra.

Desde 27 de outubro de 2011 a Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu,  é liderada pelos pastores Evandro Luiz e Nohemy, casal que vem desempenhando um eficaz trabalho em todos os sentidos e objetivos espirituais propostos pela igreja desde 1984, e agora estão empenhados também nesta maravilhosa reconstrução das novas instalações da Missão Paz e Vida. 

Confira o andamento desta maravilhosa obra, através das fotos e vídeos pelo Facebook: 
https://www.facebook.com/maosdadasmpv30anos 

No vídeo abaixo veja uma simples homenagem aos 30 anos da Missão Paz e Vida e o reconhecimento aos servos de Deus que deram ouvido ao chamado divino para conduzir esta obra em Mogi Guaçu.








MISSÃO PAZ E VIDA DE MOGI GUAÇU - 30 ANOS
" UMA IGREJA GRANDE EM SEUS FEITOS"